Anunciada ações para reduzir efeitos da estiagem no Oeste


Para diminuir os efeitos da estiagem que afeta o Oeste neste fim de ano, órgãos como a Casan, a Defesa Civil e a Secretaria de Estado da Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Rural estão empenhados.






Na Casan, além do planejamento a longo prazo estão sendo feitas manobras emergenciais para manter o abastecimento de água da população. A Defesa Civil investiu cerca de R$ 4 milhões na entrega de kits de assistência humanitária aos municípios durante o ano.


Já a Secretaria aportou mais de R$ 100 milhões em ações de resiliência hídrica por meio do Programa SC Mais Solo e Água.


Segundo o governador Carlos Moisés, as medidas do Estado não visam apenas a solução no curto prazo. Ele lembra que o Executivo estadual vai investir R$ 1,7 bilhão em planejamento hídrico, sobretudo na região Oeste.


Nas últimas semanas, a Casan está realizando o trabalho de limpeza em barragens de captação de água, perfuração de novos poços, contratação de caminhão-pipa e melhorias na estrutura de tratamento e distribuição.


A Companhia também trabalha com ações operacionais de revezamento em alguns municípios. Segundo o diretor-presidente em exercício da Casan, Evandro André Martins, a empresa trabalha nas melhorias das redes de abastecimento, mas ainda assim é necessário contar com a colaboração da população neste período de verão.


O secretário de Estado da Agricultura, Altair Silva, lembra que o Programa SC Mais Solo e Água já aplicou mais de R$ 100 milhões para reserva de água nas propriedades rurais catarinenses.


No âmbito da Defesa Civil estadual, foram entregues mais de 800 kits de assistência humanitária para os municípios em 2021. Também foram distribuídos 829 reservatórios de água, entre eles 283 unidades de cinco mil litros, 197 unidades de 10 mil litros, 80 peças de 15 mil litros e outras 200 com capacidade para 20 mil litros. Ainda foram entregues 69 kits de água limpa.




Fonte/foto: SeCOM/SC

7 visualizações
Whatsapp-Icon-PNG-300x300.png